CONHEÇA OS SEGREDOS DA MENTE

Se nosso desejo é “viajar” em nosso interior, precisamos definir e entender o mapa das regiões a serem exploradas e aprender a mergulhar dentro de nós. “Devemos saber para onde queremos ir e como alcançar a meta”.

Nossa jornada interna no Yoga começa no corpo físico. De fato, o corpo físico é o veículo para essa “viagem”.

Através das posturas da hatha yoga, vamos equilibrando o corpo e todo seu sistema de glândulas endócrinas que segregam hormônios e os lançam no fluxo sanguíneo. Esses hormônios têm um profundo efeito sobre as funções do corpo –metabolismo, digestão, nível energético, calor, sexualidade e também sobre a mente. A hiper ou hipo secreção das várias glândulas podem causar distúrbios físicos mentais e emocionais negativos como ansiedade, stress, raiva, medos, que destroem a saúde física e mental.

O Yoga compreendeu a necessidade de um equilíbrio apropriado das secreções hormonais do corpo para o controle e a transcendência da mente e desenvolveu uma série de asanas, que são posturas psicofísicas, destinadas a atuar sobre as glândulas e harmonizar corpo e mente.

O corpo físico é controlado pela mente e precisamos compreendê-la mais e aprender a lidar com ela.

A mente tem cinco camadas: a mente consciente, a mente subconsciente, a primeira camada da mente superconsciente, a segunda camada da mente superconsciente e o nível mais elevado da mente superconsciente.

A primeira camada da mente, a mente consciente é caracterizada pelos desejos de todos os tipos que ela constantemente está criando. Ela tem três funções: percepção, desejo ou aversão e ação. Ela percebe os estímulos do mundo exterior, através dos cinco órgãos dos sentidos (olhos, ouvidos, nariz, língua e pele), tem desejo ou aversão a esses estímulos e age para materializar esse desejo ou aversão com os órgãos motores da ação (mãos, pés, cordas vocais, genitais e órgãos excretores).

Observe como a maioria das ações que você faz é provocada pelos desejos da mente consciente. Quantas vezes as ações foram realizadas assim: primeiro você tem a percepção dos estímulos do mundo exterior; depois sente desejo ou aversão por eles; e finalmente realiza ações para materializar esses desejos ou fugir das aversões.

Deste modo, os sábios do Yoga dizem que os dez órgãos sensoriais e motores são como dez cavalos indomáveis atrelados à ‘carruagem da mente’. Se esses cavalos não forem controlados eles tomam direções diferentes, em busca do prazer e a ‘carruagem’ segue sem rumo, de um lugar para o outro, sem parar, circulando e trepidando. É assim que somos conduzidos e comandados pela mente inquieta, ansiosa, instável, cheia de desejos, em um turbilhão de pensamentos e emoções.

Muitas pessoas acham que são livres para fazerem o que querem e para desfrutar apenas dos prazeres dos sentidos, mas pelo contrário são escravizadas por eles e destroem a saúde e a paz mental.

A capacidade dos órgãos de absorver o prazer é limitada, e os objetos de satisfação também são limitados, e assim a pessoa tem de pular de um objeto para o outro na busca incessante de mais e mais prazeres. Como por exemplo: ela come bastante se deliciando com a comida, fica com o estomago cheio e segue em direção a outro prazer; vai às compras, se cansa das compras; vai a um cinema, se cansa do cinema e busca outras distrações.

Assim vai vivendo impulsionadas pelos quatro instintos básicos: fome, sono, medo e sexo – os instintos de sobrevivência, preservação e reprodução.

Como esses instintos fazem parte de nossa natureza, não devemos reprimi-los, mas devemos controlá-los e direcioná-los para propósitos mais elevados.

Nossa existência humana é muito mais do que a expressão dos instintos da mente consciente que atiçam o corpo físico para desfrutar o mundo através dos sentidos. Não podemos dar valor apenas a satisfação física e desprezar a elevação mental a níveis mais sutis. Precisamos aprender o dourado caminho do meio como diz o Yoga, nos harmonizando e nos equilibrando com discernimento, determinação, disciplina, vontade interior.

A autodisciplina educa os sentidos, educa a mente, purifica os padrões mentais da mente negativa e desse modo, você adquire mais autoconfiança, mais liberdade interior para desfrutar verdadeiramente da vida, com mais saúde, bem-estar e com um verdadeiro prazer. Você é capaz de exercer o poder de escolha sobre sua mente e sentidos.É capaz de escolher não apenas o prazeroso que muitas vezes é como veneno lhe adoecendo, mas escolhe o que é benéfico para você.

Na segunda camada da mente temos a mente subconsciente onde temos a reflexão ou pensamento profundo e memória. Nesse nível da mente acontecem os pensamentos intelectuais, analíticos, científicos, filosóficos e a busca pela solução de problemas.

A mente subconsciente cria nesse mundo interior os sonhos, com imagens que ela destrói e reconstrói. Durante o dia, a mente recebe a influência de várias impressões sensoriais que são armazenadas no subconsciente. E durante o sono, quando essas impressões são revividas nas células cerebrais, as imagens desencontradas do dia-a-dia surgem na mente subconsciente como sonhos. Esses sonhos nos ajudam a processar as experiências diárias ou a satisfazer desejos profundos não realizados no dia-a-dia.

O sonho é, na verdade, um “delírio interno“ e pode tornar a pessoa mais agitada se ela estiver tensa, com ansiedade ou com a digestão perturbada. Mas sonhar é importante para aliviar a sobrecarga de estímulos excitantes acumulados durante o dia. Se a pessoa ficar sem dormir várias noites seguidas pode ter vários distúrbios”.

A meditação diária e profunda desempenha a mesma função de catarse psíquica que os sonhos e quem pratica a meditação regular e profunda dorme mais tranqüilo, em um estado profundo e mais relaxado, e acorda sentindo-se melhor mesmo depois de poucas horas de sono.

Quando você relaxa profundamente e medita limpa as impressões deixadas na mente que agitavam o sistema nervoso e a mente consciente. Pode através dessas práticas ‘reprogramar’ o subconsciente se libertando de sentimentos de cobranças e culpa, de traumas, medos e lembranças passadas. Pode desenvolver as potencialidades da camada subconsciente da mente tornando-se mais confiante, sábio e tranqüilo.

A terceira camada da mente é a primeira camada da mente superconsciente, a camada da intuição.

Muitos sábios a chamam de Mente Cósmica, o receptáculo de todo o conhecimento, onde passado, presente e o futuro se fundem na ‘superesfera’ de uma realidade que está além do espaço e tempo.

Quem consegue transcender os níveis inferiores (consciente e subconsciente) da mente realiza esta Mente Cósmica –porque a mente superconsciente individual e a mente Cósmica superconsciente são uma só. Este é o espaço da intuição, do ‘insight’ criativo que está além da esfera lógica e racional da mente subconsciente. É reino onde os artistas, cientistas iluminados, poetas, santos e místicos se deleitam, se elevam e se inspiram.

Podemos também sentir esse sentimento feliz e transcendente na paz da natureza, quando as amarras do ego se dissolvem e a mente se conecta a um estado mais elevado e transcendental.

O psicólogo Abraham Maslow, fundador da Psicologia moderna Transpessoal, percebeu que a função da psicologia não é estudar as pessoas comuns dominadaas pelo ego, mas pesquisar aqueles que atingiram estados mais elevados e transcendentes da mente. Ele considerou essas pessoas, que são menos de 1% da humanidade, de auto-reveladoras e as considerou como os primeiros representantes da evolução humana. Elas são criativas, corajosas, humildes e relativamente livres de desejo e ansiedade. Elas possuem discernimento e desapego, têm a habilidade de se concentrar profundamente e vivem com a espontaneidade e simplicidade de uma criança. Elas se dedicam a tarefas ou missões idealistas, como muitos santos. Através de insight criativo, muitos compositores criaram suas músicas, como Wagner que revelou que “ouvia” espontaneamente as músicas que compunha. Einstein revelou que descobriu a teoria da relatividade com a intuição e não com o uso da lógica consciente. Miguel Ângelo só criava quando tinha o que chamava de “acessos da alma”, quando o “espírito de Deus” o elevava a um estado de êxtase.

Através das práticas do Yoga, preparamos a mente e o corpo de uma maneira gradual e cuidadosa para recebermos e controlarmos os poderes ilimitados do estado superconsciente.

A quarta camada da mente é a segunda camada da mente superconsciente, a mente subliminar. É a camada do conhecimento especial. Aqueles raros indivíduos que atingem esse estado sublime sentem o infinito mar de vibrações das ondas do universo fluindo dentro e fora deles. Eles atingem o verdadeiro discernimento e desapego, libertando-se das ilusões. Ao atingir esse estado, desenvolvem-se qualidades como paciência, serenidade, gentileza, alegria, humildade, concentração plena.

A quinta camada da mente é a última camada da mente superconsciente, a mente causal sutil. É “o reino dourado da mente”. É o estado final do esplendoroso Ser interior. O Eu individual, livre de todas as amarras e apegos, atinge o estado do Ser interior, acima da dualidade.É a bem-aventurança infinita e a paz eterna.

É o caminho dos santos e dos Gurus iluminados. Eles aspiram por Deus, pelo infinito e se voltam para dentro nessa busca e nesse encontro pelo Esplendor Infinito. Eles bebem da fonte de bem-aventurança e vibram no fluxo de Deus.Eles vêem a Consciência Suprema em tudo. Em qualquer papel que eles desempenham no palco da vida—trabalhando, divertindo-se e circulando neste mundo eles sabem internamente que são o Ser Imortal, que são o Ser Interior que habita em todos os seres.

Em nosso estado comum de ignorância, vivenciando apenas os planos inferiores da existência, nos identificamos com nosso corpo e com nossas mentes inferiores. Temos preconceitos, realçamos as diferenças, nos sentimos separados uns dos outros, e nos dividimos por causa de religião, sexo e raça. Esse falso sentido de identificação com nossos “eus” inferiores tem criado guerras e conflitos em toda a história humana.

O Yoga compreendeu essa grande verdade: somente nosso corpo físico e nossas mente consciente e subconsciente são diferentes e separadas uma das outras; porém no nível da mente superconsciente e do Ser interior todos são Um.

Quem eleva sua mente acima das camadas inferiores da mente, transcende as barreiras psíquicas e sociais e desenvolve uma visão universal. Compreende que todas as mentes fazem parte da Mente Universal. Sente o Amor Universal, o fluxo de amor contínuo emanando de dentro de si e fluindo para todos igualmente. Percebe o Universo com um profundo sentimento de Unidade e pode realizar a verdadeira harmonia na Terra, com um amor todo-abrangente que dissolve as diferenças.

O mundo precisa de muito amor, nossos lares precisam de muito amor, nossos corações e mentes precisam sentir o amor. Em vez da violência nossa arma precisa ser o amor.

Não podemos mudar a sociedade e é ainda uma utopia sonhar com um mundo pleno de amor, bondade e compaixão, sem violência, sem guerras, sem conflitos. Mas nós podemos começar essa revolução interna dentro de nós. Podemos sentir, primeiro por nós mesmos, sentimentos de amor, bondade e compaixão e depois transmitir isso para a família; para os amigos, para os animais, para a natureza, ao nosso redor e, para aonde formos podemos levar gentileza, paciência, bondade, compreensão e esse amor interior.

Om Shantih!

Paz a todos os seres!

Com amor e respeito,

Emilce Shrividya.

___________________________________________________________

Bibliografia:

Meditação e os Segredos da Mente – Avadhutika Anandamitra Acaria- Ed. Palloti.